Madde Comunicação
Agência de Comunicação

Tendências do marketing digital para 2019 (2 de 4)

Esta semana continuamos a nossa viagem pelas previsões das principais tendências do marketing digital em 2019. E por falar nisso, se ainda não o fez, leia aqui o primeiro artigo desta série.

Não é por acaso que Seth Godin, um dos pais do marketing digital, define o marketing de conteúdo como "the only marketing left". Os profissionais de marketing devem criar conteúdo sobre o que interessa ao seu público.

Na Madde acreditamos que o marketing de conteúdo já faz parte da estratégia da sua empresa e que a integração no seu website de um blogue ou de uma área com informação relevante e atualizada regularmente já é um dado adquirido (para si). 

(Mas caso não seja, não perca tempo a ler este artigo e contacte-nos já pois está a perder negócio enquanto nós temos a solução)

Mas então esta semana vamos falar sobre Marketing de Conteúdo. Sem aprofundar uma definição, para o âmbito deste artigo basta-nos dizer que é autêntico, útil e perfeitamente adaptado à geração digital. Com a certeza de duas coisas para 2019: a) o marketing de conteúdo será cada vez mais importante e; b) a criação e distribuição de conteúdo mudarão.

Consistência, qualidade e especialização

O marketing de conteúdo tem que respeitar dois valores: por lado, deve ser bem construído e relevante, por outro deve ser envolvente.

Esta tendência do marketing digital não se resume à criação de conteúdo. O futuro não passa apenas pela a geração de conteúdo de alta qualidade, mas também pela possibilidade deste ser partilhado em várias plataformas, captando assim os leitores com uma mensagem original e, progressivamente, cada vez mais familiar. Eis um exemplo. Empresas nas mais diversas áreas usam visitas ou demonstrações virtuais dos seus serviços e produtos para atrair clientes, mas no final dos vídeos apresentam também ligações a conteúdos que fornecem informação detalhada sobre esses produtos e serviços, bem como a possibilidade da sua aquisição imediata. Este é um caso em que vários tipos de conteúdo, cada um a tirar o melhor usufruto do local onde é apresentado, comunicam a mesma mensagem e proporcionam a ação do consumidor.

Embora o conceito geral de audiência ainda seja importante, o aperfeiçoamento das medidas de eficácia no marketing digital permite a especialização do conteúdo. Ter uma compreensão mais profunda e sofisticada de um mercado-alvo e ser-se capaz de atingir esse mercado com mais precisão é uma tendência crescente no marketing de conteúdo.

Personalização

Não lhe agrada chegar à sua pastelaria preferida e sem ter que procurar a atenção de um empregado, rapidamente alguém lhe perguntar se o seu pedido é o do costume?

Este tipo de sentimento positivo é o que o conteúdo personalizado pode proporcionar aos clientes que visitam os seus canais online. Acreditamos que as vantagens desta tendência são óbvias, mas vejamos os dados:

 

  • A Monetate, após inquirir 1.100 profissionais do marketing, descobriu que 94% destes acreditam que a personalização é vital para o sucesso atual e futuro, no online;
  • A personalização aumenta em 20% a passagem do contacto à aquisição (dados DemandGen);
  • O marketing personalizado, com base no perfil do público-alvo estabelecido, tem uma taxa de conversão quatro vezes superior ao marketing genérico (dados Insightera);
  • E o mais importante: os clientes também acreditam na personalização. 53% dos compradores online acreditam na vantagem da personalização e 57% estão dispostos a fornecer informação pessoal para beneficiar da personalização.

 

Para integrar a personalização no seu website, comece pelo mais simples. Peça em primeiro lugar o nome e o e-mail dos utilizadores para que lhes possa enviar informação útil, um eBook por exemplo. Em seguida, mantenha o contacto com alguma regularidade, oferecendo mais informação útil. Num segundo momento, ofereça algo mais importante e peça aos seus clientes que dêem alguns dados corporativos como o nome da sua empresa, URL do website e dimensão da companhia. Assim, passo a passo poderá ganhar maior conhecimento sobre cada um deles e personalizar a oferta sem "agressividade".

Nichos

O marketing de conteúdo está a amadurecer e com isto surge, naturalmente, alguma saturação. Segundo um inquérito da MarketingProfs, 70% dos marketeers declara que produziu mais/significativamente mais conteúdo nos últimos 12 meses. Perante este cenário, para uma marca se conseguir destacar restam duas opções: 

 

  1. Criar conteúdo que seja extremamente informativo ou criativo (o que é caro e consome tempo);
  2. Investigar e criar conteúdo para um nicho específico.

 

 

O nosso conselho é que olhe "desde fora" para o seu setor: identifique nichos e veja quais os que poderão estar a ser negligenciados pela concorrência. Por exemplo, se atua no setor do turismo... já produziu algum conteúdo para o turismo gastronómico? Ou para o turismo político? Sim isso mesmo! Ou não me diga que não sabe que os chineses adoram conhecer locais com significado para o comunismo - Cuba, Rússia, antiga Jugoslávia, entre outros. 

À semelhança do turismo, há vários nichos por explorar em todos os sectores.

Recriar a criação

Este tópico merecia um artigo por si só. E vai acontecer. Fique atento. Por agora vamos analisar o seguinte: o marketing de conteúdo não se resume a escrever, juntar uns bonecos ou um vídeo e distribuir. É bastante mais vasto.

Cada tipo de conteúdo tem, pelo menos, um meio ideal. Existem vários: artigos de blogue, posts em redes sociais, infográficos, vídeos, webinars, estudos de caso, etc e etc. A lista cresce constantemente.

Esta lista interminável de formatos obriga a uma igual riqueza de competências nos departamentos de marketing. São necessários escritores, designers, animadores, sonoplastas, etc e etc. Infelizmente não são poucos os anúncios de emprego que procuram por um copywriter com competência de redes sociais, edição de imagem, animação, vídeo, áudio, tostas, waffles... Se o departamento de marketing da sua empresa ou a sua agência tem um profissional destes... pelo menos que sejam bons os waffles.

De acordo com o Content Marketing Institute são várias as técnicas usadas pelas empresas de maior sucesso online. Mas as mais populares são, respetivamente:

 

  • Conteúdo para social media - 83%
  • Blogues - 80%
  • Newsletter por e-mail - 77%
  • Eventos transmitidos em vídeo ao vivo - 68%
  • Ebooks/White Papers - 65%

 

E não se esqueça que o conteúdo não será só visualizado no ecrã. A Internet of Things (IoT) permite que se possa aceder a informação sem dispor de um ecrã ou sequer usar as mãos - recordemos a Siri ou a Alexa.

Para adoptar esta tendência compreenda a sua audiência, diversifique os meios e conteúdo, abandone o especialista "faz-tudo" e opte por profissionais que tirem bom partido de cada competência.

E de eficaz 

O e-mail continua a ser um meio de comunicação muito importante com milhares de milhões de utilizadores (6.594 milhões segundo a Statista). Seja no trabalho, na escola ou pessoalmente, o e-mail faz parte da nossa vida.

Sobre a importância do email na sua estratégia de marketing, aqui ficam alguns dados:

 

  • Por cada $1 investido pode esperar $32 de retorno (DMA 2108);
  • 81% das PME´s usam o email como o seu primeiro canal de aquisição de clientes, e 80% para retenção (Emarsys, 2018);
  • O rácio médio de abertura de um email de boas-vindas é 82% (GetResponse 2017);
  • 49% dos consumidores afirma que gostaria de receber emails semanais com promoções das suas marcas preferidas (Statista 2017).

 

No entanto, o e-mail marketing evoluiu e o envio massivo e indiferenciado é hoje em dia tão mal visto como aqueles panfletos que transbordam a sua caixa de correio. O bom e-mail marketing é uma combinação de personalização e sentido de oportunidade. Isto significa que se tem a capacidade de enviar um e-mail sobre um produto que o utilizador acabou de ver no seu website e, posteriormente, enviar-lhe uma promoção ou um vídeo desse mesmo produto, então o seu sistema é muito eficaz! O e-mail é um dos meios com maior capacidade para motivar o comportamento de compra, especialmente se combinado com o remarketing.

SEO

A relação do content marketing com o SEO continua a ser fundamental para o sucesso da sua estratégia de Marketing Digital. No entanto, verificam-se duas importantes alterações.

As pesquisas por voz representam já 20% das pesquisas no Google em suportes mobile. E se olhar para os seus futuros clientes verá que dos 18 aos 29 anos, 71% usa a pesquisa por voz. Só mais um número assustador: a Amazon prevê que as compras feitas através da Alexa, atinjam os 11.000 milhões de dólares em 2020.

A integração desta tendência no seu marketing de conteúdo passa por abordar a criação do conteúdo de uma forma conversacional. Escreva como fala. Não escreva sobre "As melhores técnicas de marketing para PMEs", escreva sobre "Quais são as melhores técnicas de marketing para pequenas e médias empresas"? E passa por mais umas técnicas sobre as quais poderemos conversar consigo - contacte-nos.

Para além da pesquisa por voz, os algoritmos de pesquisa também se alteraram, reforçando aquela tendência. As "keywords" já não são favorecidas na catalogação. A preferência vai agora para o conjunto de conteúdo sobre um determinado tópico. Por exemplo, se o seu objetivo é tornar-se uma referência no mundo dos ovos, cria uma página "referência" sobre os seus ovos, em torno desta cria outras várias páginas com temáticas associadas (Como fazer doce de ovos? Qual a melhor forma de armazenar ovos?, etc.). Estas outras páginas terão sempre uma ligação à principal. Simples? Claro, o conceito é mesmo esse - necessita de vários ovos para uma boa omelete.

Esperamos ter-lhe aberto o apetite para a semana que vem. Até lá :)

Continuar a ler

Tendências do marketing digital para 2019 (1 de 4)

Sem ignorar as nossas heranças somos, cada vez mais, uma agência digital. Não ignoramos a necessidade e eficácia de uma boa campanha de publicidade. Mas os tempos mudaram e sendo o marketing ainda essencial, o "meio" em que este é mais eficaz mudou bastante. 

Se quer estar onde os seus consumidores estão, necessita de estar bem presente online. As redes sociais, o conteúdo como principal fonte de informação, o word-of-mouth transformado em influencer marketing, fizeram da Internet o meio que conta. Assim é preciso saber como estar da melhor forma possível neste meio. O que já fez, está feito. Se resultou ainda bem! Se continuará a resultar? Provavelmente, mas não da mesma forma. Por isso, com 2018 a despedir-se, a Madde partilha algumas técnicas que deverá incluir na sua estratégia digital para 2019.

Identificámos oito tendências importantes. Da afirmação do "voice search" ao "mobile marketing", passando pelo conteúdo personalizado e pela Inteligência Artificial (IA), vamos falar sobre as apostas da Madde para o marketing digital dos seus clientes. Ao longo destas quatro semanas de Dezembro, veremos com mais detalhe cada uma destas técnicas. Hoje iniciamos com as que consideramos que deve adotar mais urgentemente, os chatbots e o vídeo.

Chatbots

Os chatbots, e a sua IA, vieram e estão a ver (ou melhor, a falar) e certamente vencerão. Os chatbot são um software especializado que funciona como um "assistente" virtual, interagindo com os utilizadores e auxiliando-os a realizar o seu objectivo. A interacção ocorre, normalmente, através de janelas de comunicação escrita, mas também podem ser usadas comunicações orais.

Os chatbots melhoram o serviço ao cliente sem aumentar excessivamente os custos. São mais rápidos a responder a questões sobre dados e informação técnica e a aceitar pedidos dos clientes. Podem ter humor, personalidade própria e estão constantemente disponíveis para oferecer um serviço personalizado ao cliente. Esta disponibilidade constante é um argumento muito importante. Não só melhora a satisfação do cliente, como no caso do Facebook, melhora o seu "responde rate" - aumentando o SEO e a probabilidade da sua marca ser recomendada nas pesquisas pelos algoritmos.

Podem ser integrados num website, numa app e até nas redes sociais. Por exemplo, os bots do Facebook Messenger podem ser facilmente configurados para responder às mensagens dos seus seguidores. Com um Click Through Rate (CTR) de 80%, esta é uma ferramenta de marketing difícil de ignorar. Os chatbots também recolhem informação que pode ser posteriormente usada para melhorar as estratégias de marketing.

De acordo com a pesquisa da Grand View Research, 45% dos clientes preferem usar os chatbots como primeiro contacto no apoio ao cliente. Estima-se que, nos próximos cinco anos, aproximadamente 80% das comunicações entre empresas e clientes sejam realizadas através de sistemas de mensagens com tecnologia bot.

Se receia em adotar esta tecnologia por temer a sua "artificialidade" nas respostas ao cliente - não tema! Uma pesquisa recente apurou que 70% dos consumidores acha a experiência dos chatbots positiva. A Performance Coach, cliente da Madde, angaria mais de 80% dos seus clientes através do chatbot no seu site.

Não restam dúvidas que vivemos na época do "Agora". Os seus clientes procuram informação para tomar uma decisão de aquisição. Se entregou a resposta aos seus clientes a um "assistente", eles vão certamente esperar. E quem espera desespera " leia-se, compra à concorrência. 

Com a melhoria constante da tecnologia chatbot e a crescente preferência dos clientes por esta funcionalidade, é importante que enquanto empresa procure integrá-la na sua estratégia. A Madde pode apoiá-lo, seja como simples reforço do seu apoio ao cliente ou mesmo como forma de promover novas ofertas ou funcionalidades do seu produto" agora é o momento de se tornar uma referência para os seus clientes.

Vídeo

O vídeo continua à frente na corrida para o meio mais bem-sucedido do ano. Esta predominância assenta na cada vez menor capacidade de atenção do consumidor. A maioria das pessoas prefere ver um vídeo do que ler um artigo num blog.

Vamos pôr alguns números nesta afirmação. Entre 2011 e 2015, o consumo de vídeo subiu de uma média diária de 39 para 115 minutos (dados eMarketer). A CISCO afirma que em 2017, 69% do tráfego da Internet foi em vídeo, e atingirá os 80% no próximo ano. De acordo com uma pesquisa da Outbrain, 86% dos marketeers prefere o vídeo como meio promocional. Mas no próprio vídeo regista-se evolução - 29% de todos os vídeos visualizados em suportes mobile é de formato vertical, graças ao crescimento do Snapchat. A Livestream apurou que 82% dos utilizadores de redes sociais preferem ver os vídeos das marcas aos seus posts de texto.

Uma vertente do vídeo muito importante para o marketing é o "live vídeo". A sua capacidade de envolvimento direto do consumidor com os produtos e serviços é imensa. Se deseja encontrar os seus clientes, provavelmente, irá encontrá-los numa rede social. Plataformas como o YouTube, Facebook ou Instagram dão-lhe a oportunidade de se expor ao seu mercado.

No Facebook, uma das plataformas mais usadas para o live vídeo, os utilizadores ocupam três vezes mais tempo com live vídeos do que com vídeos tradicionais/gravados. E o volume de comentários é dez vezes mais elevado durante as transmissões diretas. 

É consensual que no próximo ano, os "live video feeds" continuarão a aumentar. Por isso, esta é uma aposta segura. E não é necessariamente cara. Existem várias formas de produzir live vídeo sem recorrer a tecnologia cara. Alguns exemplos são os podcast de representantes da marca como o CEO, sessões de perguntas e respostas, aberturas e demonstrações de produtos  - a Madde sabe mais uns exemplos, mas só para si :)

Por exemplo, de acordo com a Hubspot, a simples inclusão de um vídeo num e-mail aumenta inacreditavelmente o CTR entre 200 a 300%, e colocação de um vídeo numa landing page aumenta o rácio de conversão em 80%.

A tendência é clara. Se não está a investir no vídeo, está a ficar para trás.

Crie uma estratégia de vídeo com a Madde, e não perca este "comboio". Em praticamente todas as áreas do marketing, o vídeo vence os restantes meios. Em conjunto, analisaremos todos os aspetos da sua atividade e descobriremos a melhor forma de integrar o marketing de vídeo na sua estratégia global.

Até para a semana :)

Continuar a ler

Ter ou não ter um website, eis a questão

Muitas vezes deparamo-nos com este dilema nos clientes que consideram que ter as redes sociais ativas já é suficiente para o negócio. Mas não. Uma empresa que não é facilmente encontrada no Google, simplesmente não existe. E um canal não substitui o outro. As redes sociais são sim excelentes meios para gerar tráfego e engagement, mas o website é o ADN da empresa.

Por isso, ter um website nos dias de hoje é inevitável. Ora repare: com a crescente dimensão da Internet e influência da mesma na vida das pessoas, as empresas, sejam elas startups, micro, pequenas, médias ou grandes, devem investir na presença no "maior centro comercial do mundo". 
Ter um website é mais barato, tem duração e é flexível quando comparado com as formas tradicionais de publicidade. Tem ainda toda a informação atualizada e os conteúdos podem ser alterados conforme a estratégia do negócio. O website pode ser visualizado em qualquer ponto do mundo. Ou seja, a distância com potenciais consumidores é assim encurtada e o negócio passa a estar disponível 24 horas e 365 dias por ano, tornando o contacto mais imediato e personalizado.

O website é uma ferramenta eficaz para potenciar e gerar confiança, credibilidade e negócio junto dos atuais clientes e piscar o olho aos novos. Obviamente que o web design e a navegação devem proporcionar uma boa experiência, não esquecendo o conteúdo relevante, otimizado para os motores de pesquisa, e responsive, adaptado a todos os dispositivos móveis. Lembre-se que uma boa primeira impressão é fundamental para que o visitante se transforme efetivamente num cliente.

Portanto, quando alguém pesquisar pelo serviço que necessita, será ideal aparecer o website, o que transmite uma imagem mais profissional, do que simplesmente uma morada e um telefone. O website é o principal e primeiro canal de contacto entre a empresa e o futuro cliente/consumidor. As redes sociais complementam o website, já que cada um tem o seu público específico.

A aposta certa é ter uma presença na Internet bem estruturada ao nível do website e das redes sociais. A Madde sabe como o fazer. Peça-nos uma proposta agora! O seu negócio vai agradecer.

Continuar a ler

Video Content | A importância do Video Marketing - o futuro do Content Marketing

A verdade é que uma quiche contém, por norma, ingredientes que ainda que diferentes se complementam na perfeição, tal e qual como no Video Content ? Conteúdos de marketing, estrategicamente pensados e direcionados ao consumidor final que são apresentados em formato de vídeo, potenciando um engagement 60% superior a um post de texto. Quer saber mais? Continue a ler!
Decidimos fazer uma pesquisa aos dados estatísticos atuais, e plataformas como Hubspot e Diode Digital informam-nos que:? Adicionar um vídeo a um email pode aumentar o CTR entre 200 a 300%;

  • Incorporar um vídeo numa landing page pode aumentar as conversões em cerca de 80%;
  • 90% dos consumidores indica que visualizar um produto em vídeo os ajuda a tomar decisões relativas ao mesmo;
  • Segundo o Youtube, o consumo de vídeo aumenta 100% a cada ano;
  • 64% dos consumidores estão mais abertos à possibilidade de comprar determinado produto se o visualizarem através da interação com imagem e áudio;
  • 87% dos marketeers estão atualmente a usar Content Video na definição da sua estratégia;
  • Um terço do tempo dispensado em plataformas online pela população é em vídeos;
  • A publicidade em vídeo corresponde atualmente a 35% da publicidade online;
  • 59% das decisões tomadas pelos responsáveis de determinada empresa são expugnadas de modo mais favorável se a apresentação for visualizada em vídeo em vez de artigo ou post de blog.

A verdade é que vídeo marketing é uma das vertentes de marketing online que potencia valor, relevância e flexibilidade às necessidades dos consumidores.
As razões são inúmeras para utilizar esta estratégia, o consumidor lembrar-se-á mais facilmente da mensagem transmitida num vídeo do que num post. E quando os consumidores se recordam do vídeo apresentado, recordar-se-ão também da marca podendo potenciar o alcance de leads e consequentemente vendas. Claro que tudo isto acontece se no vídeo a estratégia da marca/empresa for mantida - A linha deverá ser sempre coerente com a representação já existente no mercado.

A plataforma HubSpot indica mesmo que cerca de 39% dos business decision-makers contactam a marca/produto/empresa depois de visualizarem um Content Video. Isto pode fazer com que o SEO do próprio website aumente. Outra estratégia que se pode aplicar é ter na homepage um Content Video que mostre na íntegra o que a empresa representa. Acaba por ser também uma estratégia de geração de leads.

Claro que tudo isto, e agora a nível visual, terá que ser representado com um design cuidado e pensado para o consumidor que irá visualizar os conteúdos. Se for para publicitar mau conteúdo em empresas com potencial, a decisão certa será não publicar e esperar pela oportunidade certa de acrescentar valor ao que se cria. O que acontece com muitas empresas é que colocam qualquer conteúdo online ? Está errado! Um erro destes poderá fazer com que o consumidor passe de imediato à segunda marca que lhe estava em mente. Muito cuidado!

Em suma e de forma a pormenorizar o que na realidade pode potenciar o seu negócio, dizemos-lhe que o vídeo online é a oportunidade perfeita para aumentar, melhor ou reforçar o seu negócio ? é potenciar a sua mensagem através de som e imagens. Já para não falar que cerca de 92% das pessoas que visualizam vídeos têm uma enorme tendência para os partilhar.

Ficou com dúvidas? Potencie o seu negócio e contacte-nos!

Continuar a ler